Resenha – Damage Done, de Amanda Panitch

Olá leitores, tudo certo?

Fazia muito, muito tempo que eu não lia um livro que me deixasse tão na beira do sofá quanto esse. A cada nova revelação, cada página que lia me deixava ansioso para próxima e para próxima; li como se não houvesse amanhã, sem ver passar as horas. AH! Como eu senti falta disso. Mas antes de dar minha opinião sobre o livro, vamos ao resumo.

Vinte e dois minutos separam Julia Vann de Lucy Black. Dois nomes, uma pessoa. Julia tivera um namorado, uma melhor amiga e um irmão gêmeo. Lucy Black era uma nova identidade, em uma nova cidade. Estes vinte e dois minutos se recusavam a voltar a memória de Lucy, ou pelo menos, era o que ela dizia a polícia.

Por razões ainda desconhecidas, o irmão gêmeo de Julia, Ryan prende onze pessoas dentro da sala de ensaios da banda – usando super cola, o que eu achei muito criativo haha – e os mata com tiros de revolver. Um acontecimento chocante e extremamente atual, considerando o tanto que vemos isso nas mídias hoje em dia.


A pequena cidade onde a família mora se volta contra os Vann, culpando-os; repórteres acampam a frente da casa vinte quatro horas por dia, sempre buscando uma oportunidade para falar com qualquer um dos membros – inclusive, pulando a cerca vindo das casas vizinhas e chegando ao quintal de trás dos Vann; imaginem o absurdo. Até não suportarem mais, a família muda de cidade, indo para o lado oposto do estado da Califórnia, onde moravam.


Novos nomes, nova cidade, nova vida. Julia agora é Lucy. Ryan, agora está morto.

Contudo, a nova realidade da família é ameaçada quando o ex-psicólogo de Ryan começa a persegui-la sem uma explicação. Lucy, então, irá descobrir por que o médico está interessado mais uma vez na família Vann.

Se eu fosse resumir este livro em apenas uma palavra, seria “eletrizante”. A autora foi capaz de construir o mistério perfeitamente, mesmo que para isto teve de esconder algumas cenas do leitor – uma tática muito boa, na minha opinião.


Em alguns momentos entre os capítulos, nós lemos páginas tiradas do diário de consultas do psicólogo – que agora eu esqueci o nome; eu não sou muito bom com nomes de personagens dos livros, me julguem –, que nos colocam dentro da cabeça de Ryan, e chegamos a conclusão que ele é um sociopata. Estes pedaços, para mim, foram os mais interessantes.


E o final, então? Surpreendente! Não da maneira que estou acostumado. Confesso que algumas coisas acabaram sendo um tanto previsíveis, mas a motivação dos personagens é extremamente imponderável.

Ah! Esqueci de falar: eu comprei esse livro por US$1,00. Melhor compra da minha vida hahahahaha


Então, eu dou 5 de 5 Týrs para esse livro. Super recomendo. Vou colocar aqui embaixo o link de compra, mas infelizmente, ele ainda não foi traduzido para o português.

Confira aqui o e-book.

Um forte abraço e nos vemos em breve,

Leandro Zapata

(PS.: Vocês acham que devo continuar com esse negócio de medição usando a Týr?)

0 visualização