Nove Passos para Escrever seu Conto – Pt.2

Olá escritores, tudo certo?

Hoje damos continuidade a este post!

by Jerry Jenkins | tradução e adaptação de Leandro Zapata


Passo 5 – Use a Estrutura Clássica de História

Uma vez que seu título puxou seu leitor, como você mantém o interesse? Como pode ter imaginado, este passo é tão crucial para um conto tanto quanto para um romance. Então, use a mesma ideia:


Coloque seu personagem em problemas imediatamente. Claro que problemas são diferentes para cada um dos gêneros.


Em um thriller, seu personagem pode estar fisicamente em perigo; uma situação de vida ou morte;


Em um romance, seu problema pode ser emocional; uma heroína dividida entre dois amores;


Em um mistério, seu personagem pode ser testemunha de um crime e, então, acusado dele;


Não perca tempo preparando a história. Apenas caia nela.

Conte ao seu leitor apenas o suficiente para ele se importar com seu personagem principal, então, para chegar ao problema, a aventura, o desafio, o perigo – o que quer que mova sua história.


Passo 6 – Sugira um backstory; não entre em detalhes

Você não tem espaço ou tempo para um flashback ou cobrir todo o backstory de seu personagem. Ao invés de recitar como um francês chegou à América, meramente mencione o sotaque que ele queria abandonar quando ele emigrou para os Estados de Paris.

Não gaste um parágrafo descrevendo uma manhã de inverno. Mostre um pouco dessa sensação durante a narração mostrando seu personagem cobrindo o rosto com o cachecol por causa do vento gélido.


Passo 7 – Na dúvida, elimine

Contos, por definição, são curtos. Cada frase deve contar. Se até mesmo uma palavra parece estar sobrenado, ela deve ser eliminada.


Passo 8 – Garanta um final satisfatório

Isto é uma obrigação. Feche as cortinas com um satisfatório baque.

Em um conto, isto pode ser conquistado rapidamente, contanto que ressoe com o leitor e faça-o assentir. Não pode ser forçado ou complicado ou parecer como se a história acabou rápido demais.


Em uma versão moderna de Filho Pródigo, um personagem chama um táxi e deixa uma mensagem que, se ele tem permissão para ir para casa, seu pai deve deixar a luz da varanda da casa acesa. Caso contrário, ele entenderá e simplesmente seguira com sua vida.


O resto da história é ele contando ao taxista o quão profundamente duas escolhas machucaram sua família.


A história termina com o táxi parando a vista de sua casa de infância, apenas para encontrar não apenas a luz da varanda acesa, mas também todas as luzes da casa e mais ainda no quintal.


O final não precisa de elaboração. Nós nem precisamos ver a reunião, o abraço, as lágrimas ou a conversa. As luzes já dizem tudo.


Passo 9 – Corte como se sua história dependesse disso

Porque depende. Quando terminar sua história, o trabalho real apenas começou. Chegou a hora de se tornar um feroz auto editor.


Uma vez que esteja feliz com o fluir da sua história, cada elemento deve ser examinado até a perfeição: ortografia, gramática, pontuação, construção de sentença, seleção de palavras, eliminação de clichês, redundâncias, você escolhe.


Então, olhe seu manuscrito procurando por maneiras de engajar os sentimentos e emoções do seu leitor.


Toda escrita é reescrita. E lembre-se, editar sempre adiciona poder. Omita palavras desnecessárias. Por exemplo:


Ela piscou com os olhos.

Jim entrou pela porta aberta e sentou-se em uma cadeira.


Aprenda a editar e dê a si mesmo a melhor chance para escrever um conto que captura seu leitor.

Espero que tenham gostado dessa dica!

Um forte abraço e nos vemos em breve,

Leandro Zapata

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo